segunda-feira, 23 de janeiro de 2017


quarta-feira, 23 de novembro de 2016


terça-feira, 25 de outubro de 2016

Escrevo o teu nome na areia desta praia
Se algum dia tiver que te apagar de mim
Basta caminhar sobre o que me foste...

sexta-feira, 14 de outubro de 2016


  Hoje apeteces-me...

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Foste ousado
O que és tu para mim?

Hoje 

És o beijo que me apetece 
O abraço que me faz falta

Amanhã

Deixa-me ser 
Eu deixo-te estar...

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Even if something seems like it cannot be fixed, it doesn't mean it's broken...

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

                                #verdades

sábado, 6 de fevereiro de 2016


You know that I don't want you and I never did
I don't want you and I never will

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Na vida existem momentos em que temos que acordar, mas lembra-te sempre...
Não despertes o que não podes calar!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016


We'll never know...

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

 















Quando viro a página do meu livro, espero não encontrar o que já vivi...
Quero novas histórias para mais tarde recordar!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016



Depois de um tenebroso caminho
Em busca da minha felicidade
Não vou deixar que ninguém
Atrase o meu destino final
Despida de ilusões incertas
Limpa de memórias ambíguas
Mereço mais que apenas palavras e momentos
Sempre soube que carregavas o meu sofrimento
Permiti que semeasses em mim a dor
Hei-de encontrar o meu perdão
Por ter permitido a tua passagem na minha vida
Como posso ter sido tão cega
A mentira não faz parte de mim
Como posso ter sido tão ingénua
A falsidade para mim não existe
Foste um amanhecer violento
Nesta tempestade que alimentei
Pingos de chuva carregados de mentira
De tanto querer me perdi
De tanto acreditar andei à chuva
E por fim... te deixo
Agora finalmente no meu canto em silêncio
Inebriada pelos meus sentidos apurados
Cheguei ao fim desta intensa viagem
Onde sentimentos como o amor e o ódio deixam marcas
Tão profundas quanto dolorosas
Mas eu não acredito no amor...

domingo, 17 de janeiro de 2016

Danças-me no pensamento
Como rasgos de insana loucura

Fosse eu dona do que sinto
Serias apenas um fogo extinto
Apagado do meu sentir
Somente cinzas outrora ardidas
 
Sinto-me pequena junto ao oceano
Sinto medo da montanha distante

Cega pelas lágrimas que teimam em cair
Dilacerada pelos espinhos plantados no destino
Vagueio até ao fim da luz que avisto

Perdida no paraíso que inventei
Recuso o sentimento de esperança
Afasto este desejo cruel
Mas guardo em mim a tua vontade de dançar

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016


terça-feira, 8 de dezembro de 2015

São os espinhos que tornam as rosas perfeitas...

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Neste mar de saudade
Vens à tona do meu sentir
Afogada em memórias
Entranha-se o salgado sabor da ausência
Sinto em mim as ondas do teu toque
Aquele sabor dos beijos molhados

Atracada nesta tempestade
Sinto-me à deriva
Fazes-me tanta falta
Hoje e sempre
Até que de mim desembarques

quarta-feira, 25 de novembro de 2015


We are not the only ones
I don't regret a thing
Every word I've said
You know I'll always mean
It is the world to me
That you are in my life
But I want to live
And not just survive

sábado, 21 de novembro de 2015

Come and take a walk on the wild side
Let me kiss you hard in the pouring rain
You like your girls insane
Choose your last words
This is the last time
Because you and I
We were born to die

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Stay this time
Stay tonight in a lie
Ever after is a long time
And if you save your love
Don't push me too far
Tonight

terça-feira, 17 de novembro de 2015



I woke up at the moment when the miracle occurred
Heard a song that made some sense out of the world
Everything I ever lost now has been returned
In the most beautiful sound I would ever heard

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

I'm not the only one
Staring at the sun
Afraid of what you would find
If you took a look inside

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

It’s not if I believe in love
But if love believes in me

terça-feira, 10 de novembro de 2015

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

If you go?
If you go your way and I go mine
Are we so?
Are we so helpless against the tide
Baby every dog on the street
Knows that we're in love with defeat
Are we ready to be swept off our feet
And stop chasing
Every breaking wave

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

 
"Agora que o silêncio é um mar sem ondas
E que nele posso navegar sem rumo
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim

Perde-se a vida a desejá-la tanto
Só soubemos sofrer, enquanto
O nosso amor
Durou
Mas o tempo passou
Há calmaria…
Não perturbes a paz que me foi dada
Ouvir de novo a tua voz seria
Matar a sede com água salgada"

quinta-feira, 22 de outubro de 2015



Luto por aquilo que quero
Que nunca ninguém me diga o contrário
A vida tem-me ensinado a ser assim
Se quero, faço por isso
Não sei desistir
Não sei baixar os braços
Tombo vezes sem conta
Perco as forças
Mas levanto-me sempre
Mais forte para a próxima batalha
Muitas mais vou ter pela frente
Só assim sei que vale a pena
De outra forma não seria feliz
E um dia, eu vou saber que
Toda a lágrima teve a sua razão de cair
Todos os gritos de raiva serviram um propósito
Todas as quedas me fizeram o que sou hoje!

quinta-feira, 8 de outubro de 2015


terça-feira, 6 de outubro de 2015

Gosto do tudo ou do nada
Não tolero meias verdades
Amo e odeio ao mesmo tempo
Com a mesma intensidade! 
Tiro com a mesma rapidez que dou
Quero tudo ou não quero nada!
Vou até ao fim do mundo por quem gosto de verdade
Nada faço por quem não me importo
Gosto de jogos arriscados
Amores proibidos
Gosto do sim
Aceito o não
Desprezo o talvez

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Always...

quarta-feira, 30 de setembro de 2015



Carrego-te na saudade
Não temo o vazio
Sou dona do teu beijo
O nosso beijo
Não temo o tempo
Existes em mim
Serás eterno
Porque um dia
Trouxe todos os dias
Porque um dia
Fomos um só




domingo, 27 de setembro de 2015

Nos sonhos despertos
Das noites em branco
Mais um dia que acaba
Sem ter começado...

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Amor e desejo são coisas diferentes. 
Nem tudo o que se ama se deseja 
E nem tudo o que se deseja se ama.

domingo, 13 de setembro de 2015

Crestfallen soul
Rest for this night
Love is here
Right here under my wings

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Within there's every little memory resting calm with me
Resting in a dream, smiling back at me
The faces of the past keep calling me to come back home
Rest calm and remember me

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Nunca soube ser paciente
Quando quero, quero logo! 
Quando me apetece, tem de ser já
Quando começo ligeiramente a embirrar, sei que já fugi de vez
Sempre fui assim
De poucas esperas e explicações

terça-feira, 8 de setembro de 2015

 
 
 
 
I'll always be the queen of my forbidden sins...

sábado, 22 de agosto de 2015

Fujo deste brilho que me ofusca 
Ouço o canto do sofrimento 
Trazido nas asas de um anjo 

Ao fogo ofereço as minhas memórias 
Com água lavo os meus pecados 
No vento solto os meus desejos 

No despertar dos meus sentidos 
Pela razão que me derruba 
Caminho nos trilhos do desconhecido 

Pelo desespero plantado na minh´alma 
Procuro a verdadeira beleza da vida 
Transformando palavras em momentos 

Pela escuridão que reina em mim 
Escolhi erguer o poema da saudade 
Nascido no leito dos nossos momentos 

Numa folha de papel 
Despida de palavras 
Deposito a minha esperança

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Your clever game got the best of me
But you ain't gonna get the rest of me

terça-feira, 26 de maio de 2015

Na presença do teu silêncio
Danças por entre os meus pensamentos
Os segundos em que espero por voltar a ter-te
Parecem horas
Quando te tenho, sorrio
Quando te permito, tocas-me
Invento a tua mão na minha
O meu espaço ocupado por ti
Não sei o que és
Pinto-te da forma que te sinto 
Com a força que me tocas
Nunca te senti assim
Tão diferente do que me eras...

segunda-feira, 18 de maio de 2015


 Para quê dar sentido às minhas palavras quando aquilo que escrevo é apenas o que sou...
Um segredo escondido numa tímida lágrima derramada na alegria de um sentir!

quarta-feira, 6 de maio de 2015


Por todo o mistério escondido na verdade das tuas palavras 
No desejo espalhado neste secreto labirinto 
Dissipo as dores do tempo afagando o veludo das tuas palavras 
Aquelas que me sussurras ao ouvido no calor da noite imperial 
Rainha das nossas vontades! 

Invento-me no calor dos teus braços 
Danço no mistério do beijo prometido...

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Somos a história de dois corpos presos no tempo...

Quanto tempo mais? 
Para sempre? 
Sendo o sempre o tempo que nós desejarmos 
Sinto medo... 
Medo do silêncio e do quarto deserto 
Prisioneira de pensamentos que não posso partilhar 
Assustada por sentir e não ter a quem o gritar 
Anseio dizer-te um dia tudo quanto sinto na forma de beijo 
Doces palavras de amor que desejo tatuar em ti 
No silêncio de um beijo longo 

Arrasto-me nas noites longas 
Vagueio nos dias eternos 
Hoje pesas-me no peito 
Tanto... 

Quem és tu que existes em mim? 
Um beijo por dar 
Página de um livro que não quero ler... 

Quem és tu que me deixas ser? 
Quem és tu que eu deixo estar?

domingo, 3 de maio de 2015

 
Se alguma vez duvidei que me amavas? Nunca!
Tal como nunca tive dúvidas que o deixarias de fazer para amares outra no meu lugar!
Estranha forma de amar...

sábado, 25 de abril de 2015


"Whoever said love was easy?
Do you know they told you wrong
Because every time you feel it
A piece of you is gone..."

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Arrasto-me nas noites longas
Vagueio nos dias eternos
Hoje pesas-me no peito
Tanto...

sexta-feira, 27 de março de 2015

Tarja - I Walk Alone








Just because we can live without someone,
Doesn't mean we have to!

quinta-feira, 26 de março de 2015














No silêncio de uma lágrima perdida
Na imensidão de sentimentos abandonados
As minhas trevas são eternas...

Nesta cascata de incertezas
Visto-me de sensações vividas!

Prisioneira duma razão oculta
Dominada pelo desejo proibido
Perco-me nos teus desejos...

Nas sombras dos meus momentos
Eu vejo-te...
Nas minhas amargas lembranças
Eu sinto-te...
Nas minhas noites longas
Tu ainda existes...



No silêncio de uma lágrima perdida
Na imensidão de sentimentos abandonados
As minhas trevas são eternas...

Nesta cascata de incertezas
Visto-me de sensações vividas!

Prisioneira duma razão oculta
Dominada pelo desejo proibido
Perco-me nos teus desejos...

Nas sombras dos meus momentos
Eu vejo-te...
Nas minhas amargas lembranças
Eu sinto-te...
Nas minhas noites longas
Tu ainda existes...

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=115359 © Luso-Poemas
No silêncio de uma lágrima perdida
Na imensidão de sentimentos abandonados
As minhas trevas são eternas...

Nesta cascata de incertezas
Visto-me de sensações vividas!

Prisioneira duma razão oculta
Dominada pelo desejo proibido
Perco-me nos teus desejos...

Nas sombras dos meus momentos
Eu vejo-te...
Nas minhas amargas lembranças
Eu sinto-te...
Nas minhas noites longas
Tu ainda existes...

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=115359 © Luso-Poemas
No silêncio de uma lágrima perdida
Na imensidão de sentimentos abandonados
As minhas trevas são eternas...

Nesta cascata de incertezas
Visto-me de sensações vividas!

Prisioneira duma razão oculta
Dominada pelo desejo proibido
Perco-me nos teus desejos...

Nas sombras dos meus momentos
Eu vejo-te...
Nas minhas amargas lembranças
Eu sinto-te...
Nas minhas noites longas
Tu ainda existes...

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=115359 © Luso-Poemas

terça-feira, 24 de março de 2015


Naquela noite
Parei de apenas olhar,
Comecei a ver...

O meu maior ato de egoismo?
Escolher-me a mim!

Vi que afinal existias,
Quando senti a tua falta...

sábado, 21 de março de 2015


Deixa-me ser,
Eu deixo-te estar!

Uma chama no horizonte que insiste em não se apagar
Sonhos perdidos pintados nas sombras dançantes da noite...

Este luto que teima em queimar sepultado na quimera do tempo que ilude uma cura,
Este sentimento que se esconde nas cinzas que restam,
Este amor que perdura até que o silêncio me diga adeus...

sexta-feira, 20 de março de 2015




I'm gonna live like tomorrow doesn't exist,
Like it doesn't exist...
I'm gonna fly like a bird through the night,
Feel my tears as they dry...









terça-feira, 17 de março de 2015


"No meu olhar perdi tudo
 É tão longe pedir
 Tão perto saber que não há"

sexta-feira, 6 de março de 2015




"E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram.
Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre."

sábado, 28 de fevereiro de 2015















Esqueci-me de mim...

Mas agora é de ti que me esqueço!
Que existes, que sentes...
De pensar sempre em ti e só em ti,  sem nunca me lembrar de mim...

Esqueci-me...
Do que aconteceu e como desejaria ter o poder de mudar o rumo do nosso destino!

Esqueci de me lembrar...
Como seria deixar os nossos lábios voltarem a tocar-se!

Esqueci-me de tudo isso!

Talvez amanhã seja o dia em que acabe de te esquecer
Talvez amanhã lembrar-me de ti não seja mais doloroso
Talvez...

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Voar


No sussurrar do vento espalhado na escuridão desta noite nefasta, guardo a memória do brilho do teu olhar...
Foste um grito solto na madrugada dos prazeres e o despertar de um fogo de vontades já extinto!
Nas lágrimas derramadas do canto dos anjos da noite, ainda sinto o sabor dos teus beijos...
De olhos fechados, apago os sentidos da alma e das palavras um dia trocadas, saboreio um beijo soprado, derramando sobre a pele a saudade de um acordar perfeito!
Na cripta das recordações, ouço a melodia espalhada na noite como um eco que cala o meu silêncio, tenho em mim tatuado o teu corpo despido, colado em meu brando sentir!
No cemitério dos meus prazeres, os sentidos sustentam a força do amor...
Ergui o teu mausoléu neste carrossel de perfeitos desejos!
No equilíbrio da alma deste meu sentir penoso, queria apenas voar...

Veneno Mortal

Saboreio cada humilde momento
Sentido com a sofreguidão de um beijo envenenado...

Inspiro o perfume da minha vida amaldiçoada
Expiro o sangue derramado nas minhas lágrimas...

Absorvo o aroma do teu corpo incendiado
Sugo as lágrimas entornadas do teu ser...

Perpétuo este sentimento desmedido
Eternizado pelas juras trocadas...

Jazem memórias seladas com o veneno dos teus lábios
Sepultados no meu inerte cadáver

Sonho Morto


Restam apenas cinzas a pairar no ar
Lembranças amargas que levo para a sepultura...

Queria sorrir mas só consigo chorar
Lágrimas dementes de solidão...

Sinto que apesar de ter morrido
Tu ainda vives no meu coração
Este amor não vive entre sepulcros
Nem repousa sobre cinzas...

Madrugada gélida,
Porque fazes a chuva cair sobre mim?

Vento assustador,
Porque me despertas com tão triste sussurrar?

Agora que o meu coração se tornou jazigo,
Deixa-me repousar inerte sobre o meu sepulcro
Agora que sou parte de um sonho morto
Apenas poeira solta na escuridão,
Deixa escorrer sobre mim a pureza dos pensamentos
Antes de pertencer a este cemitério de paixões proibidas...

Porque insistes em me acordar?
Deixa que a minha alma beba da neblina deste amanhecer...

Neste crepúsculo imenso
Sob o olhar atento dos anjos da noite,
Vou esfriar o meu sangue...

Madrugada que me iluminas,
Leva para bem longe o raiar de um novo dia
Com ele vem o fim de meu eterno descanso...

Não quero voltar,
Pertenço a este ermo
Onde repousam as minhas paixões...

Noite que me consomes,
Porque ousas despedir-te de mim?

Quimera


Nesta madrugada que espreita, carregando um novo dia
Esperando por embarcar nesta viagem envolta de sentimentos,
Vislumbro uma epopeia gravada no meu horizonte...

Nesta dança frágil, preenchida de delicados recitais escritos pelo olhar,
Sobeja nesta alma perdida chamas de voluptuosas palavras
Vislumbradas na essência dos mais virgens sentidos...

Abraçar os desejos mais recônditos da vontade do meu ser,
Desaguar os suplícios embrenhados no meu corpo
Naufragados neste efémero atalho fustigado pelas emoções...

Batalho para estrangular desejos libertinos,
Sacrifico o âmago fulminando a luxúria do sofrer de um beijo
Abafando a doce melodia da união perfeita de duas almas perdidas,
Almas assombradas pelo mistério de um futuro tumultuoso...

Memórias


Nas cinzas deste amor apagado
Restam apenas lembranças
Tatuadas na memória
Apagadas de um olhar
Repouso na calma da noite
Vivendo os encontros
Esquecendo os desencontros
Saboreando o bom
Apagando o mau
Acendo as memórias
Destiladas na saudade
Procurando respostas
Alcanço um silêncio
Espreitam vestígios
Dum fogo que ardeu
Para nunca ser extinto...

Felicidade


Na noite despida de quimeras
Sufocada pelas recordações e memórias,
Sonho em silêncio...

Pinto no meu livro inventado as cores da minha felicidade!

As Palavras


As palavras, essas,
Todos as tememos,
Sobretudo as que ficam por dizer,
As que nos sufocam
E nos perturbam a alma.
É como se algo as prendessem a nós
E não as deixassem sair...
Isto sim, é a vida,
Uma luta eterna contra o tempo
E contra as palavras...

Amor Proibido


Entro na tua alma
Com um olhar delicado,
Revejo-me no teu olhar dúbio
No teu sorriso apagado...

Um emaranhado de incertezas
Assombram os nossos destinos,
Vivemos este amor inflamado
Como amantes clandestinos!

As nossas noites proibidas
Absorvidas com muito sentimento,
Sepultado em nosso coração
Cravado no eterno pensamento!

Sob o calor do teu beijo
Com a força do teu olhar,
O meu corpo te entrego
A minha alma sinto voar!

Amantes


Na presença da lua,
Sou mulher!
Sob o olhar das estrelas,
Sou amada!
Ao sabor do vento,
Sou feliz!

Entrego-me ao mais puro dos momentos,
Aquele em que me perco nos teus braços...

Da tua boca, soltam-se as mais lindas palavras!
Dos teus olhos, nascem as mais doces lágrimas!
No teu coração, cresce um amor proibido...

Para onde converge esta nossa paixão?

Estou rendida a ti!
Sinto de corpo e alma este fogo que inflama a nossa história,
Vivo presa a este emaranhado de sentimentos...

Irei viver assim até ao meu último fôlego!
Instigas em mim um amor nunca antes sentido,
Uma paixão nunca antes vivida...

Existem razões que não se explicam,
Laços que são demasiado fortes para serem quebrados...

Seremos nós uma espécie de amantes eternos em que os nossos
sentimentos são puros e verdadeiros?

Apenas Um Beijo...

No beijo destinado,
Dissipam-se os medos
Cala-se um silêncio...

Prevalece o desejo
Apaga-se a dúvida...

Amante do sonho eterno
Vacilo na loucura da alma!

Tocam-se os lábios
O corpo estremece...

Na tempestade da incerteza
Vence a vontade da razão!

Perco-me no sabor deste beijo...

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

















“Podes não ser o primeiro, o último ou até mesmo o único. Ela amou antes e poderá voltar a amar. Mas se ela te ama agora, que mais importa? Ela não é perfeita - tu também não és, e os dois poderão nunca ser perfeitos juntos... mas se ela te consegue fazer rir, fazer pensar duas vezes e admitir que és humano e que cometes erros, agarra-a e dá-lhe o máximo que conseguires. Ela poderá não pensar em ti a cada segundo do dia, mas dar-te-á uma parte dela que sabe que poderás quebrar - o coração. Por isso, não a magoes, não a mudes, não analises e não esperes mais do que ela poderá dar. Sorri quando ela te fizer feliz, diz-lhe quando ela te puser furioso e sente a falta dela quando ela não estiver.”












Sinto-te...
No vazio das sombras
No eco do silêncio

Vives...
Nas mágoas que permanecem
Na ausência das palavras

Restam pedaços de memórias 
Espalhados no meu reino

Anseio tornar-te eterno em mim...

Epica - Tides Of Time


ABISMO

Preciso libertar-me,
As palavras estão embargadas,
O mistério move-me...

Não consigo ser entendida,
Dura tempestade esta!

Não me alimento de promessas,
Fujo das palavras...

Quero tranquilidade,
Suplico pela eterna serenidade...

Neste sono perturbado
Da minha alma inquieta,
O abismo está logo ali...

Nesta noite solitária
Sob o brilho da lua,
Tu existes!

Preciso libertar-me,
As palavras estão embargadas,
O mistério move-me...

Não consigo ser entendida,
Dura tempestade esta!

Não me alimento de promessas,
Fujo das palavras...

Quero tranquilidade,
Suplico pela eterna serenidade...

Neste sono perturbado
Da minha alma inquieta,
O abismo está logo ali...

Nesta noite solitária
Sob o brilho da lua,
Tu existes!

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=101690 © Luso-Poemascvbb
Preciso libertar-me,
As palavras estão embargadas,
O mistério move-me...

Não consigo ser entendida,
Dura tempestade esta!

Não me alimento de promessas,
Fujo das palavras...

Quero tranquilidade,
Suplico pela eterna serenidade...

Neste sono perturbado
Da minha alma inquieta,
O abismo está logo ali...

Nesta noite solitária
Sob o brilho da lua,
Tu existes!

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=101690 © Luso-Poemas
Preciso libertar-me,
As palavras estão embargadas,
O mistério move-me...

Não consigo ser entendida,
Dura tempestade esta!

Não me alimento de promessas,
Fujo das palavras...

Quero tranquilidade,
Suplico pela eterna serenidade...

Neste sono perturbado
Da minha alma inquieta,
O abismo está logo ali...

Nesta noite solitária
Sob o brilho da lua,
Tu existes!

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=101690 © Luso-Poemas
Preciso libertar-me,
As palavras estão embargadas,
O mistério move-me...

Não consigo ser entendida,
Dura tempestade esta!

Não me alimento de promessas,
Fujo das palavras...

Quero tranquilidade,
Suplico pela eterna serenidade...

Neste sono perturbado
Da minha alma inquieta,
O abismo está logo ali...

Nesta noite solitária
Sob o brilho da lua,
Tu existes!

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=101690 © Luso-Poemas
Preciso libertar-me,
As palavras estão embargadas,
O mistério move-me...

Não consigo ser entendida,
Dura tempestade esta!

Não me alimento de promessas,
Fujo das palavras...

Quero tranquilidade,
Suplico pela eterna serenidade...

Neste sono perturbado
Da minha alma inquieta,
O abismo está logo ali...

Nesta noite solitária
Sob o brilho da lua,
Tu existes!

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=101690 © Luso-Poemas

O MEU CAMINHO

Caminho por esta estrada sozinha
Procuro alguma coisa mas não encontro...
Estarei a seguir o caminho certo?
Não sei,
Talvez nunca venha a saber
Limito-me a caminhar...

O MEU SENTIR...

Quero adormecer no teu pensamento
Amanhecer no teu olhar
Sentir o despertar da alma na pele...

Por entre desejos e prazeres
Quero viver-te!

Deambular nos teus sonhos
Incendiar os teus sentidos
Espalhados pelo vento
Neste amanhecer celestial...

Carregas a pureza dos sentimentos
Espelhados no meu sentir...

És a alma perdida
Num sonho por descobrir
És o livro
Que não posso ler...

Nesta madrugada da vida
Sinto-te como um sonho por viver!

Vou sonhar e esperar o amanhecer
Afagando a sombra deste vazio
E deixar que o Amor exista...