domingo, 17 de janeiro de 2016

Danças-me no pensamento
Como rasgos de insana loucura

Fosse eu dona do que sinto
Serias apenas um fogo extinto
Apagado do meu sentir
Somente cinzas outrora ardidas
 
Sinto-me pequena junto ao oceano
Sinto medo da montanha distante

Cega pelas lágrimas que teimam em cair
Dilacerada pelos espinhos plantados no destino
Vagueio até ao fim da luz que avisto

Perdida no paraíso que inventei
Recuso o sentimento de esperança
Afasto este desejo cruel
Mas guardo em mim a tua vontade de dançar

Sem comentários:

Enviar um comentário